'É a 1ª vez que levo algo a sério', diz jovem estreante no Exame da OAB



Maria Beatriz estudou durante seis meses para
a prova. (Foto: Arquivo pessoal)

A estudante de direito Maria Beatriz Colafatti, de 21 anos, nunca levou os estudos muito a sério. Ela confessa que, até o terceiro ano da faculdade de direito, foi às aulas a passeio - isso quando foi. Admite que, antes, só queria festar, descansar, estar em casa sem fazer nada.

Atualmente no último ano de curso, porém, a jovem afirma ter adotado outra postura. Estreante na prova, ela passou na primeira fase do XIII Exame de Ordem Unificado da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), realizada em 13 de abril, e, neste domingo, participa da segunda fase, em Maringá, no norte do Paraná.

"Não sei até agora como cheguei até aqui. Nunca fui de me dedicar, de estudar para algo. Não queria nada com nada, era horroroso. Ia para a aula só para passear. É [preparar-se para o Exame] a minha primeira experiência nítida de estudar para conseguir alguma coisa", diz Maria Beatriz.

A estudante conta que se preparou por seis meses para a prova da Ordem. Para ter mais tempo para estudar, deixou a academia e abdicou de algumas festas das quais queria participar. "Entrei em um cursinho e passei a me dedicar. Estou gostando. Eu não confiava que ia conseguir, mas está dando tudo certo. Estou com medo, mas espero ser aprovada".

A futura bacharel faz planos de trabalhar como defensora pública. Ela explica que vê o direito como uma forma de ajudar pessoas que não têm oportunidade e conhecimento para se defender judicialmente. "Quero ajudar as pessoas que não têm conhecimento a não ser passadas para trás. Se eu estudei, sei como funciona, por que não ajudar quem precisa? Quero dar um ideal de justiça para alguém, mesmo que pequeno se comparado ao tamanho do Brasil".

21 anos, com 'carinha de 17'
Maria Beatriz diz ter medo de não ser respeitada se aprovada como advogada, por ser claramente mais nova que a maioria dos profissionais da área, e principalmente por "ter carinha de quem tem 17 anos".

"Quem vai confiar? Tenho cara de criança, pareço uma menininha. Acho que isso vai me atrapalhar, mas vou trabalhar em dobro para passar por cima. Mostrando minha capacidade, as pessoas vão confiar em mim", almeja.

Para a estudante, fazer parte de uma geração com criação incrustrada na internet e nas tecnologias online dá a ela vantagens em relação à "velha guarda" do direito. "Tenho pensamento mais aberto para aceitar novas formas de ver o mundo. Fui criada em um mundo bem mais liberal. Além disso, tenho facilidade para aprender, para lidar com coisas que são difíceis para outras gerações", opina. "Eles [os mais velhos], por outro lado, viveram muitos fatos históricos do direito, como as mudanças na Constituição do país [a última foi promulgada em em 5 de outubro de 1988]. Sabem bem como é. Eu, não. O que sei disso, só vi em livros".

FONTE:G1
Curta o Emprego-youcan no Facebook Facebook Emprego You Can